domingo, 23 de novembro de 2008

Artesanato

I) Cestaria
Técnica de entretecer a cana e o vime.
É um exemplo de técnicas tradicionais que se distinguem pelo material, utilidade, variações criativas e também pela especificidades da mão-de-obra.

II) Bilros
A renda de bilros é realizada sobre uma almofada dura que fica sobre um suporte de madeira, ajustável, de forma a ficar à altura do trabalho da rendilheira. No rebolo, é colocado um cartão perfurado, o pique, onde se encontra o desenho da renda, feito com pequenos furos. Nos furos da zona do desenho que está a ser realizada, a rendilheira espeta alfinetes, que desloca à medida que o trabalho progride. Os fios são manejados por meio de pequenas peças de madeira torneada, os bilros. O número de bilros utilizado varia conforme a complexidade do desenho.

Passaria horas a vê-los trabalhar na sua arte...

Beijinhos,
Gata Verde

58 comentários:

Atlantys disse...

Primeirassssssssssssssssss =D
Epahhhh isto de andar sem tempo para nada desta vez rendeu =D
Beijokassssssssss =)***

Hugo Gomes disse...

Interessante, mas falha uma coisa as pessoas já tem uma idade “avançada” será artesanato ou arte em extinção?

Bjs

tulipa disse...

Não há nada mais fascinante e cativante do que conhecer in loco novas culturas.
Assim o fiz mais uma vez.
Sou uma privilegiada, Deus tem sido meu Amigo por me proporcionar momentos tão magníficos.
Consegui realizar mais um sonho na minha vida.

Noutras áreas a coisa não corre muito bem, mas a Esperança é a última a morrer, continuo diariamente na luta por aquilo que quero, hei-de conseguir.

Beijinhos.
Boa semana.

Também regresso HOJE depois de 12 dias ausente.

Rafeiro Perfumado disse...

Horas? Mesmo se estivesse a dar a novela?

J. Raimundo disse...

obrigado! ;) axei que por o "red" era demasiado evidente.. lol

Uma pessoa cada vez que vem aqui, aprende sempre kk coisinha.. ;)

*****

Sailor Girl disse...

O que uma pessoa aprende na internet... Fabuloso, nunca tinha visto ninguém a fazer renda de bilros!!! Beijinhos!!!

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querida Gatinha, lindo o artesanato que trazes hoje... Já vi fazer renda de bilros e é um espanto ver as bordadeiras a trabalhar... Parabéns Amiga... Adorei a postagem

FERNANDA & POEMAS disse...

Esqueci-me de te desejar uma boa semana e muitos beijinhos de carinho e ternura,
Fernandinha

tossan disse...

É arte pura! Bilros precisa de muita habilidade! Bj

Capriccio disse...

Gosto muito de artesanato.
Mas desconheço a renda de bilros!

P.s Um dos meus sonhos é conhecer o Coliceu de Roma.

Beijinhos :)

Sandra. disse...

(gatita o meu pá faleceu na madrugada de sexta nina...)

Vício disse...

o vime também é conhecido por verga... o homem tem muita verga!

Carecaloira disse...

É uma arte maravilhosa.
Pena é que os mais novos não queiram aprender.

Boa semana.
Beijoca grande
Marina

Armindo C. Alves disse...

É agradável constatar que técnicas ancestrais não morreram e continuam ainda hoje a valorizar o nosso artesanato. Menos ancestral mas tão eficiente é a tua técnica e saber,para divulgar e transmitir ensinamentos. Parabéns. Beijo.

Teté disse...

Também adoro ver a agilidade com que os artesãos fazem o seu trabalho!

Pena que este artesanato tenha poucos seguidores entre as camadas mais jovens, tendo tendência a acabar dentro de poucos anos...

Beijocas, Gatinha!

mjf disse...

Olá!
A renda de bilros é linda e intemporal...mas muito complicada de fazerrrr

beijocas
boa semana

Vivian disse...

Hola Gatita!En lo te había olvidado, estuve ausente un tiempo; pero acá estoy. Me gustan los adornos artesanales, creo que la belleza está en la complejidad de la confección. La primera imagen me encanta.Espero estés bien, nos seguimos viendo. Muchos besos.Cuídate.

Osvaldo disse...

Olá Menina;
De Roma até ao nosso Portugal Profundo, é maravilhoso...
Das rendeiras de bilros desconhecia, mas os cesteiros ainda os encontro na região do Douro embora mesmo para as vindimas os cestos já sejam em plástico o que tende a acabar esta "honorável" profissão que durante séculos se passou de pais a filhos e sustentaram muitas bocas a comer... Assim me contou um senhor, Cesteiro em Guedieiros (Tabuaço) e que me permitiu tirar várias fotografias dessa arte, mas ainda não publicadas.
Obrigado, Gata, por valorizar o nosso artesanato com tuas belas fotos.
bjs

Lawstude disse...

great collection of pic. i specially like the second one. great job.

Andreia do Flautim disse...

Nunca vi ninguém a fazer renda de bilros!

O Profeta disse...

Uma arte ainda existente aqui nos Açores...


Doce beijo

Carla Sofia disse...

Gostei da reportagem.
beijinho :)

pablo cholvis disse...

Muchas gracias por las palabras que dejaste en mi blog. Veo que compartimos la pasión por la fotografía. Ya entraré tranquilo al tuyo para verlo en detalle. Hasta pronto.

AB disse...

È uma pena que aos poucos esta arte tenha têndencia a desaparecer. Os nossos artesãos estão cada vez mais velhinhos e há poucos jovens aquerer seguir-lhes os passos.
Beijinho e boa semana.

hiltom disse...

Artesanato: tudo quanto era típicamente português, feito mãos experientes de pessoas que sempre se tinham dedicado aquela profissão e a desempenhavam muito bem.
Actualmente, tudo tem tendência a acabar. Raramente vemos cestos feitos manualmente à venda.Por isso são tão caros.
Em miúda, quando no Verão passava temporadas na aldeia, lembro-me que havia lá uns velhotes que os faziam. E à beira da ribeira havia os tais vimes para os fazer. Então, nós íamos lá cortá-los e corríamos para junto deles. Sentadas no chão e a obra crescia sobre o olhar supervisor do artesão.Depois brincavamos com eles.
Quanto às rendas de bilros: Voltaram a estar muito na moda.
O pior mesmo foi quando no liceu, na aula de lavores, a professora teve a triste ideia de nos mandar comprar os apetrechos para iniciação aquela arte.^As linhas enrolavam-se todas e nunca fiz nada bem. Desisti passado poucas aulas. A habilidade era tanta que passei para tricot e ponte de cruz. lol lol
boa semana

animalcandysugar disse...

obrigada, acabei agora de por novas fotos e, finalmente, dou por isto acabado! novas ideias vêm a caminho mas só mais tarde serão apresentadas.
só me falta mesmo que os "clientes" que até agoram têm sido fiéis para comigo tirem fotos com os colares para eu mostrar no blog, mas a única que já se lembrou de tirar a foto foi a Ana Marta.

beijinhos *

Cila disse...

Duas excelentes imagens com belissimas descrições!

Beijo

Helena de Tróia disse...

sabes que a minha avó fazia renda de bilros? tenho tantas toalhas de mesa e lençois bordados que ela fez pro meu enxoval! ;-))). quando estiver em crise vou ao baú e vendo tudo pois vale um dinheirão!! ihihi, tou a brincar, era incapaz de tal sacrilégio!...

Parisiense disse...

Eu aprendi em Angola a fazer renda de bilros.....mas se fosse hoje a fazer já não sabia.....mas que era giro era, a mudar os pauzinhos para um lado e para o outro......

Pena que cada vez há menos gente a querer esse tipo de artesanato....
Isso faz parte da cultura de um povo.....é como um monumento ....mas esses ainda tentam preservar....já o artesanato......

Como tu eu tambem passaria horas a ver como fazem......

Beijinhos

Daniel J Santos disse...

Belas tradições, boas imagens.

_+*A Elite in Paris*+_ disse...

Isso é que é arte!

Beijo meu ♥,

A Elite

O Repórter Alentejano disse...

Isto foi fotografado no Algarve, ou é apenas impressão minha? Seja como for gosto das iniciativas de documentar estas actividades em extinção, pelo menos se daqui a uns anos ainda se escreverem livros de história (em formato electrónico também servem, está bem...) as gerações vindouras ficarão com uma ideia de como as coisas eram feitas antes de ser tudo fabricado em máquinas de “enfiar o porco, carregar no botão e apanhar o presunto já salgado do outro lado”. Só que lá está, neste momento este tipo de artesanato é maioritariamente divulgado apenas em feiras e certames em que os artesãos são expostos como artigos “para inglês ver” e a malta dizer “epá, fantástico! Como pode ser uma coisa destas?”
O Repórter Alentejano.

William Alexander López disse...

Interesante ambas fotografías, aquí en El Salvador también elaboran las cestas de la misma manera. También se realizan muchas artesanías en barro.

Abrazos

paulofski disse...

E como é bom recordar, de novo na aldeia, a ver a minha tia Carolina feliz e viva a trabalhar na arte da cestaria.

Beijinho

Laura disse...

É mesmo menina gatita, as horas passam e vemos aquelas mãos maravilhosas transformar pedaços de linhas em belissimos trabalhos, é obra sim...Beijinhos.

tr3nta disse...

very, very nice post.... Giving to know Portuguese handcraft... boa!

Bongop disse...

Algures, num ponto qualquer da minha vida, tentei fazer cestaria para me divertir... aquilo não correu bem... desisti perque dava cabo dos dedos (assim foi também quando tentei aprender a tocar viola... dá cabo dos dedos...)
Eu preciso dos dedos para trabalhar noutras coisas! eheheheh

Bongop disse...

E não vale a pena levarem a minha afirmação anterior para sentidos mais picantes!
:D

Pedro Barata disse...

Algo tão tipicamente português...

Bjinhos

Pico minha ilha disse...

Uma arte linda de se ver, gostei.Deste meu blog te deixo um olhar sobre o outro que faz um ano hoje de sentimentos.Beijos

O Profeta disse...

Sou palavra perdida no silêncio
Gerada no ventre do Mar
Grinalda de perdidos sonhos
O passado do verbo amar

Amei!
Voar na chegada de cada Primavera
Pintar de luz as cores do verão
Pisei o tapete das folhas de Outono
Acendi em cada inverno uma fogueira de paixão


Convido-te ao encontro com o meu “Eu”


Mágico beijo

Sunshine disse...

Já fiquei um tempo infinito a ver fazer renda de bilros, realmente é fantástico ver a rapidez com movimentam as mãos e a delicadeza do trabalho.

Bjinho

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá amiga, duas belas fotografias...Belas tradições...Espectacular...
Beijos

Sorrisos em Alta disse...

Horas a vê-los??? talvez... agora não me peçam outra vez para fazer de almofada!!!!

;o)

Oliver Pickwick disse...

Tem toda razão! Tecer, seja cana ou vime; ou, renda de bilros, é sempre uma nobre arte. Felizmente, muitos ainda resistem ao apelo das máquinas robotizadas.
Um beijo!

Guguita disse...

Só arte!

Beijos grandes!

GK disse...

Sabias que há um museu de renda de bilros...? Acho que é em Vila do Conde. :)

evipensieri disse...

Trabalhar com artesanato é muito bonito. Pena que eu não levo jeito nem para desenho ...

Bjs.
Elvira

Diabba disse...

"Passaria horas a vê-los trabalhar na sua arte..."

Vêr os outros trabalhar é sempre um descanso! hihihihih

enxofre

LOURO disse...

Olá Amiga Gata Verde... Belas as tuas fotos, mais a boa imformação... Boa noite, beijinhos de carinho,
Lourenço

Hands of Time disse...

Uma arte linda! Mas sim, é mais confortante vê-los a eles trabalhar LOL

Guguita disse...

Adoro estas coisas... fazem-me sempre lembrar compotas, doçarias regionais e chazinho!!! A proposito... abriste-me o apetite jove!

Beijos grandes

JOSÉ NEVES disse...

Fotografia também é cultura, belas imagens que aqui nos apresentas.

Parabéns, um beijinho.

impulsos disse...

E é uma pena que se vão perdendo estas preciosidades da manufactura...
Aos poucos, tudo vai desaparecendo.

Beijo

Thiago disse...

Que bom reler sobre estas pérolas da nossa cultura e folclore!!

Helena Paixão disse...

Uma excelente divulgação de algumas artes que têm tendência a perder-se no tempo e que deveríamos valorizar mais.
Óptimas fotos!

Van disse...

Quando era miúdita, adorava ver os cestos a serem entrançados :D. E adorava ver o oleiro a trabalhar o barro na roda! :D

Êidina Queiroz disse...

OLÁ Gata Verde, vi seu post no blog do Tony Madureira, sempre vou por lá, pois Claudia, sua mulher, e eu temos o mesmo problema. Gostei muito do seu blog, sensacional. Aqui no Brsil tambem temos as rendeiras da regiao nordeste, onde elas fazem a renda de bilro, herança de portugal, sao lindas e delicadas. Convido voce e a todos os amigos que por aqui passam a visitar meu blog, onde falo sobre lúpus, uma doença reumatica que ataca milhoes de mulheres no mundo todo. http://eidinaqueiroz.blogspot.com
Beijinho e Feliz Natal.